Revolta dos Búzios

A Conjuração Baiana, também denominada como Revolta dos Búzios ou Revolta dos Alfaiates (uma vez que seus líderes exerciam este ofício), foi um movimento de caráter emancipacionista, ocorrido no século XVIII, na então Capitania da Bahia que diferente da Inconfidência Mineira (1789), se revestiu de caráter popular.

“Animai-vos povo baiense que está para chegar o tempo feliz da nossa Liberdade: o tempo em que todos seremos irmãos: o tempo em que todos seremos iguais.”

Os revoltosos pregavam a libertação dos escravizados e a instauração de um governo igualitário, além da instalação de uma República na Bahia e da liberdade de comércio e o aumento dos salários dos soldados. Tais ideias eram divulgadas sobretudo pelos escritos do soldado Luiz Gonzaga das Virgens e panfletos de Cipriano Barata, médico e filósofo.

Agora você pode estar se perguntando qual a relevância desse evento para nossas vidas. Não se preocupe, a gente te conta!

Búzios > 2 de julho > 7 de setembro.

Como bem sinaliza o historiador, comediante e conterrâneo Matheus Buente “A independência do Brasil começou na Bahia! ”.

A revolta dos Búzios resultou em um dos projetos mais radicais do período colonial, propondo idealmente uma nova sociedade igualitária e democrática e apesar de ter sido barbaramente punida pela Coroa de Portugal, deixou profundas marcas na sociedade soteropolitana, a ponto tal que o movimento emancipacionista eclodiu novamente, em 1821, culminando na guerra pela Independência da Bahia, concretizada em 2 de julho de 1823, formando parte da nação que se emancipou no dia 7 de setembro do ano anterior, sob império de D. Pedro I.

Ou seja, além de belíssima, cultural e turística, nossa terra tem contribuições políticas e emancipatórias a nível nacional, mencionada inclusive no Hino Ao 2 de julho: “com tiranos não combinam, brasileiros, brasileiros corações”

  • Texto adaptado do Portal Geledés.
0 respostas

Deixe um comentário

Gostou desse post?
Deixe seu comentário e compartilhe nas redes :D

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *